Os HOMENS VERDES CARIOCAS

DSC_1916

Rua do Riachuelo, 44

Recentemente andei escrevendo sobre gárgulas.[1] O assunto me interessou de tal forma que fui pesquisar mais. Interessava-me especificamente a gárgula central, misto de homem, morcego e sapo, que decora a fachada do Castelinho Francês, sobre o qual escrevi aqui em 23 de junho último. Nada decifrei, contudo, daquela identidade. Seria um político da época? Pode ser, já que políticos, sapos e morcegos têm muito em comum…

Eu já ficara surpreso ao constatar a presença às centenas daquela figura fantástica de aparência nada cristã na decoração das fachadas de igrejas góticas européias. Mas não poderia supor, do alto de minha ignorância de pesquisador, que assim como suas parentes, as gárgulas, também esses ornamentos fizeram do Rio do início do século passado sua morada.

Já contabilizei quase 20 deles escondidos por aí, e pelo jeito vou encontrar mais. São rostos masculinos, às vezes misturados com animais, cuja característica mais marcante é o excesso de folhas formando a face.

Mas afinal, de quem estamos falando? Quem são eles?

DSC_3381

Rua Mariz e Barros, 721, Tijuca.

Acertou quem leu o título! Eles são os HOMENS VERDES, termo cunhado em inglês (GREEN MAN) por Lady Raglan em 1939.[2]

O leitor que digitar GREEN MAN no Google Images vai entender sobre quem estou me referindo…

Ele aparece como ornamento decorativo tanto na arquitetura civil como na religiosa. É curioso notar que na Capela de Rosslyn, na Escócia, imortalizada pelo escritor americano Dan Brown em seu instigante Código da Vinci, há mais representações do Homem Verde do que do próprio Cristo![3] São 110 aparições!

Convém notar que, pela sua própria natureza “natural’ – perdoem o trocadilho -, o ornamento com freqüência parece estar presente nas construções ecléticas cariocas que mantém alguma afinidade estilística com o art nouveau – estilo surgido na Europa em fins do Século XIX e que se apropriou muito das formas naturais e das linhas curvas.

A postagem de hoje traz 15 homens verdes, com seus respectivos endereços, todos no Centro do Rio. Em achando novos, eu informo.

O leitor que desejar se embrenhar na selva de pedra carioca em busca de algum homem verde por aí, que o faça sem temor. Apesar da aparência, os homens verdes são bem mais mansos do que os de carne e osso…

[1] https://orioqueorionaove.com/2015/06/23/morcegos-dinossauros-gargulas-quimeras-dragoes/

[2] https://pt.wikipedia.org/wiki/Homem_Verde. Vale a leitura!

[3] Varner, Gary R. Gargoyles, Grotesques and Green Men. Ancient Symbolism in European And American Architecture. Estados Unidos: Lulu Press Inc., 2008.

DSC_0454 copy

Avenida Rio Branco, 44 e 46, Centro. Antiga sede da Companhia Docas de Santos. Atual sede do IPHAN no Rio de Janeiro. Para saber mais sobre esse prédio clique nos links a seguir: https://orioqueorionaove.com/2012/11/06/a-fachada-do-iphan/ e https://orioqueorionaove.com/2012/09/19/iphan/

DSC_2238

Avenida Marechal Floriano, 57, Centro.

DSC_2418

Rua do Senado, 169, Centro.

DSC_2452

Avenida Mém de Sá, 252, Lapa.

DSC_2536-copy-2

Rua do Senado, 244. Antiga Fábrica de Perfumarias Lambert.

DSC_4175

Acima e abaixo: Rua Buenos Aires, 145, Centro.

DSC_4194

 

DSC_4727

Rua Uruguaiana, 45, Centro.

DSC_5209

Rua Sacadura Cabral, 203, Saúde.

DSC_6786

Rua da Relação, 22, Centro. Coloquei essa imagem, a título de colaboração, no verbete HOMEM VERDE da Wikipedia.

DSC_6846

Avenida Mém de Sá, 102, Lapa, um dos sobrados ecléticos de arquitetura mais original da cidade.

WP_20150707_13_32_30

Rua Gonçalves Dias, 70, Centro.

DSC_6152

Rua André Cavalcanti, 54, Centro.

Até a próxima!

 

3 Comentários

  1. Monica De Lorenzo · · Responder

    Rémi Astruc has argued that although there is an immense variety of motifs and figures, the three main tropes of the grotesque are doubleness, hybridity and metamorphosis. Beyond the current understanding of the grotesque as an aesthetic category, he demonstrated how the grotesque functions as a fundamental existential experience. Moreover, Astruc identifies the grotesque as a crucial, and potentially universal, anthropological device that societies have used to conceptualize alterity and change.

    Curtir

  2. Alexandre Alves · · Responder

    Muito legal!!!

    Curtir

  3. Se repararem bem, poderão ver que as figuras possuem chifres…São figuras de “faunos” da mitologia, exemplo de força, virilidade, e sexualidade, sempre ligadas à prosperidade e riqueza. Eles perseguiam as “ninfas”, símbolo da feminilidade. Portanto essas decorações , também confundida com “mascarões” (vide Memoriais da Lapa, de Ronaldo Rego) encontram-se em todo o Rio e na maioria das cidades europeias. Sem dúvida, uma tradição arquitetônica vinda do classicismo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: