Saiu na Revista s/n°! / Just published on s/n°!

Prezados leitores,

Acaba de sair na última revista s/n° – e eu o republico aqui, enriquecido de algumas imagens – um texto meu intitulado “Pedra sobre Pedra”, que trata sobre a arquitetura no Rio de Janeiro nos primeiros anos do Século XX . Como sempre, vai primeiro o texto em português, mais abaixo em inglês.

Espero que gostem.

Luiz Eugenio

_____

Dear readers,

The late s/n° magazine has just pressed – and I republish it here, together with some images – a text of mine named “Stone on Stone”, about Rio´s architechture during the first years of the twentieth century. English version is below portuguese one, as usual.

Hope you like it.

Luiz Eugenio

___________

PEDRA SOBRE PEDRA
Luiz Eugenio Teixeira Leite, agosto de 2013

A Avenida Central por volta de 1908

Figura 1. A Avenida Central por volta de 1908 / Figure 1. Central Avenue around 1908

Ondas. Eu sempre gostei delas. Como todo jovem da minha idade – na idade em que eu era jovem -, e como todo carioca da Zona Zul, eu era fascinado pelas ondas de Ipanema, em especial aquelas que se formavam junto ao finado Pier de Ipanema – uma desengonçada estrutura metálica que lá pelos anos 70 invadia o mar mais ou menos na altura da Rua Montenegro – atual Vinicius – ou ali pela Farme de Amoedo, não importa. Cansado de pegar jacarés naquelas ondas – pensando bem, acho que eram elas que me pegavam – acabei migrando para o surfe. E as ondas não saíam da minha cabeça…

Um pouco mais velho, lá pelos 20, minha paixão pelo mar levou-me ao concorrido curso de Biologia Marinha da UFRJ, e eu inventei, com amigos, de me aventurar no submundo das atividades subaquáticas. E as ondas continuavam lá, agora passando por cima das nossas cabeças…

Bem, este artigo não tem nada a ver com mergulho. Muito menos com surfe, já que a prancha de adolescente, que nunca viu uma onda sequer na vida, deve hoje servir, na melhor das hipóteses, de tábua de passar roupa. Quanto à garrafa de mergulho, virou objeto de decoração na casa da minha mãe – coitada, digo, coitadas…

Este artigo, na realidade, trata de outra onda, a qual venho surfando de uns tempos pra cá. É a onda a que batizei, com um empurrãozinho do amigo editor Helio Hara, de “onda eclética carioca”, uma tendência que vigorou na cidade entre os anos 1900 e 1930, mais ou menos.

Explico. Na Arquitetura, chama-se Ecletismo à tendência histórica que tomou força na Europa em princípios do Século XIX, logo após o declínio do Neoclassicismo, e que tentou conjugar, a um só tempo e sem nenhum pudor, influências estilísticas de diversas correntes arquitetônicas, tanto locais quanto estrangeiras, recentes ou seculares, orientais ou ocidentais, e não apenas aquelas oriundas da Antiguidade Clássica Greco-romana. O que isso quer dizer? Que o arquiteto desse período, julgando-se liberado – ou libertado – dos rígidos cânones de um ou outro estilo do passado, julgou-se no direito de misturar, num mesmo projeto e a seu bel prazer, o que de melhor percebia nesse ou naquele estilo. Assim, nada impedia que convivessem harmoniosamente, num mesmo edifício, arcos ogivais góticos e torreões renascentistas decorados com vitrais mouriscos e luminárias art nouveau – se bem que eu nunca tenha visto nada assim… Isso, naturalmente, abriu para os profissionais uma gigantesca janela de opções construtivas e decorativas, o que agradou à rica clientela ávida por novidades moderninhas – igualzinho aos dias de hoje… -, mas ao mesmo tempo atraiu a fúria de muitos críticos especializados, que viam no movimento um mero pastiche do passado. Ornamento, para alguns, era crime. Mas isso é outra onda.

A Arquitetura deve exprimir através do estilo a função a que se destina. Por meio dessa verdade, batizada “arquitetura falante” e uma das bases conceituais do Ecletismo, os arquitetos ecléticos almejavam que, a partir da simples observação da fachada, pudesse a construção transmitir ao observador a atividade-fim para a qual se destinava. Com isso, uma nova onda, acessória, veio a reboque da primeira: a onda ornamental. As fachadas desse período são mais “confeitadas” de ornamentação simbólica, na medida em que é essa decoração que vai ajudar a transmitir os diferentes estados de espírito das diferentes construções – ora sóbrios para uma casa legisladora, ora lúdicos para um teatro, uma casa de espetáculos ou um cinema.

A tsunami eclética foi tão forte que atravessou os oceanos e chegou à América, não só nos Estados Unidos como também nos países sulamericanos, entre os quais o Brasil. O Rio de Janeiro, então capital da jovem república, viu-se, na alvorada do Século XX e de uma hora para outra, varrido por um maremoto de reformas urbanas, aterros a conterem o mar e bulevares rasgados a golpes de caneta, ao mesmo tempo em que, a golpes de picareta, caíam na calada da noite os velhos casarões coloniais do velho Centro. Era a Reforma Passos, de Francisco Pereira Passos, que nomeado prefeito plenipotenciário do então Distrito Federal pelo recém-empossado Presidente Rodrigues Alves, e auxiliado pela feroz propaganda capitaneada pelo diretor-geral da Saúde Pública, Oswaldo Cruz – que clamava por uma urgente e necessária reforma sanitária -, colocou a cidade, literalmente, de cabeça para baixo, inspirado na reforma urbana de Paris ocorrida 30 anos antes, sob Napoleão III e o Barão Haussmann. Sob o lema “O Rio civiliza-se”, foram abaixo, apenas para a construção da grande avenida, 585 prédios!

A grande avenida se chamou Avenida Central (figura 1). Sua função declarada: ligar o novo porto às novas artérias que da Glória levavam à apresentável Zona Sul. Velha conhecida dos cariocas, a atual Avenida Rio Branco ilustra bem a onda eclética oficial carioca. Projetada sob a batuta do engenheiro André Gustavo Paulo de Frontin, que gozava da plena confiança do engenheiro Passos e de seus pares do Clube de Engenharia – chegando até ao ponto de alterar o traçado da avenida sem consulta prévia – em apenas seis meses a grande avenida desalojava 4000 moradores, os quais não tinham a quem recorrer e que eram obrigados a receber, felizes, as suas minguadas desapropriações. Para a nova ocupação convocou-se a nata da elite empresarial brasileira, e para o grande concurso de fachadas que se criou foram candidatos não só os notáveis arquitetos nacionais bem como vários eminentes profissionais estrangeiros, de cujas pranchetas saíram projetos inspirados na mais recente onda da arquitetura mundial: o Ecletismo. Quanto à população, bem, da população esperava-se que se retirasse… Que fossem surfar na Praia de Ramos, onde aliás nem há ondas!

Os estilos dos novos palácios, tomados emprestados, bem ao gosto eclético, eram o renascentista francês, o italiano, o mourisco e até o holandês. Dizia-se que, “de tão modernos”, iam durar cem anos! Não foi o que se viu. Passados quarenta anos, a monumental avenida já sentia o peso da especulação imobiliária, e seus jovens palácios tiveram de ceder lugar aos primeiros arranha-céus brasileiros. Dos 83 edifícios originais da inauguração, em 1904, restam intactos apenas 10! Era a modernidade exigindo verticalidade!

Mas isso é outra estória. Voltemos à decoração eclética. Das construções que conseguiram sobreviver à especulação moderna, o Teatro Municipal, o Museu Nacional de Belas Artes, a Biblioteca Nacional, o Palácio Pedro Ernesto e o Palácio Tiradentes são exemplos óbvios de construções cariocas dotadas de rica e variada expressão arquitetônica. Mas se deixarmos de lado a observação dessas opulentas fachadas dos prédios oficiais e concentrarmo-nos, por um instante, nas pequenas construções civis que o vocabulário arquitetônico eclético fez florescer em nossa cidade veremos a profusão e a riqueza de detalhes de que se constitui hoje a arquitetura civil carioca do período.

Era natural que, do mesmo modo como acontece hoje, a onda eclética acabasse “pegando” e “fugisse do controle” oficial. Esse é o ponto, enfim, que me interessa aqui. Ao mesmo tempo em que iam sendo construídos os palácios ecléticos da Avenida Central, e à medida em que avançava a reforma empreendida pela prefeitura, abrindo e alargando ruas, novos profissionais da Arquitetura tiravam suas licenças e saíam a oferecer seus serviços. Não eram, propriamente, esses profissionais os engenheiros-arquitetos acadêmicos saídos da Escola Nacional de Belas Artes ou da Escola Politécnica do Largo de São Francisco, mas profissionais egressos das escolas secundárias, como o Liceu de Artes e Ofícios, ou mesmo sem nenhuma educação formal, que sob o título de construtores espalharam a onda eclética pela cidade, deixando um legado arquitetônico despojado de erudição, mas originalíssimo. Foram eles, a meu ver, que com ingênuo engenho conseguiram conferir à cidade essa sua atual aura tipicamente eclética. A esse submovimento Rocha-Peixoto[1] chamou Ecletismo Popular.

Estes construtores-artistas, ainda que não tenham conseguido inscrever seus nomes nos compêndios clássicos da arquitetura nacional, ajudaram, com uma profunda liberdade criativa, aliada a uma interpretação toda própria dos ornamentos, a forjar uma cidade culturalmente mais diversa, mais alegre e mais rica.

Essa liberdade criativa pode ser apreciada no coroamento do Hotel Aymoré (Rua Carlos Sampaio, 106, figura 2), na Praça da Cruz Vermelha. Ali, o busto de uma figura masculina desempenha a dupla função simbólica de representar o índio brasileiro ao mesmo tempo em que evoca a figura do deus romano Mercúrio, padroeiro dos comerciantes, através da fusão de um único adereço, o cocar de um e o capacete alado do outro.

O índio-mercúrio do Hotel Aymoré

Figura 2. O índio-mercúrio do Hotel Aymoré / Figura 2. The indian-mercury of Aymoré Hotel

Na Avenida Mém de Sá, aberta em 1906, estão vários desses sobrados ecléticos erigidos e ornamentados por profissionais “quase” anônimos. Note-se o número 102, de 1911, onde duas palmeiras se erguem do segundo piso e crescem animadas até o coroamento (figura 3). Ou o número 99, onde a fachada é suficientemente espaçosa e democrática para abrigar peixe, enguia, leão, águia e conchas diversas (figura 4).

Avenida Mém de Sá, 102

Figura 3. Avenida Mém de Sá, 102 / Figure 3. 102, Mém de Sá Avenue

Avenida Mém de Sá, 99 / Mém de Sá Avenue, 99

Figura 4. Avenida Mém de Sá, 99 / Figure 4. 99, Mém de Sá Avenue

Ou ainda o prédio erguido em 1906 no número 40 da Rua da Carioca, em cuja fachada o proprietário – muito provavelmente ligado à maçonaria – teria mandado colocar diversos símbolos relacionados àquela sociedade secreta: o esquadro, o compasso, o nível, a coluna, a acácia e outros (figura 5).

Rua da Carioca, 40 / 40, Carioca Street

Figura 5. Rua da Carioca, 40 / Figure 5. 40, Carioca Street

E como não admirar a riquíssima fachada da antiga Casa Lucas (avenida Passos, 36 e 38, figura 6), que mereceu, por sua beleza e monumentalidade, ser eleita símbolo do Corredor Cultural do Rio de Janeiro, projeto responsável pela preservação e conservação dos imóveis de interesse histórico e artístico na cidade?

Avenida Passos, 36 / 36, Passos Avenue

Figura 6. Avenida Passos, 36 / Figure 6. 36, Passos Avenue

Já que estamos falando, num sentido metafórico, sobre ondas ecléticas na arquitetura carioca, permita-me o leitor uma rápida digressão final sobre uma fachada que é quase toda decorada com ondas de verdade – bem, quase de verdade… Trata-se da Estação das Barcas da Praça XV (figura 7). O prédio central, de 1911, apresenta belíssimo coroamento, no qual uma grande cúpula, sobre o relógio que costumava marcar o horário das barcas, apresenta riquíssima ornamentação naval, com destaque para a proa de uma embarcação, que irrompe entre grandes ondas cujas volutas formam – pasme o leitor! – os tentáculos cheios de ventosas de um imenso Nautilus eclético! Hoje, infelizmente, esses baixos-relevos encontram-se há anos aprisionados sob uma tela, castigo que receberam por ameaçarem cair sobre nossas cabeças…

Praça Marechal Âncora, s/n

Figura 7. Praça XV de Novembro, 21 / Figure 7. 21, XV de Novembro Square

Os exemplos ecléticos são tantos na cidade que não caberiam nessa edição da s/no.

Ao final dos anos 40, mais ou menos, a onda eclética passara, a Segunda Guerra Mundial havia terminado e os EUA eram elevados ao posto de nova potência mundial – bélica, econômica e cultural -, passando a ditar tendências e inibindo as fortes influências européias até então hegemônicas por aqui. O Brasil começava a se industrializar aceleradamente. À rápida onda art déco – que, apesar de fugaz legou-nos algumas preciosidades arquitetônicas, como os edifícios Itahy e Guahy, no Lido, ou a Casa Marajoara, na Rua Paissandu, no Flamengo, todos no Rio, ou ainda o mais belo arranha-céu nacional do estilo, o primoroso Banco de São Paulo, projetado pelo arquiteto Alvaro Botelho em 1936 – sucedeu o Modernismo, que com seu discurso agressivo e definitivo colocou o Ecletismo e seus pares na clandestinidade, declarando sua total e irrestrita aversão a qualquer espécie de ornamentação. A partir daí – e ao contrário do que sucedeu na França, onde o moderno e o antigo conseguiram conviver, pois que edificados em áreas distintas -, o que se viu e ainda se vê nas grandes capitais brasileiras foi outra tsunami, uma meteórica e imprudente onda de substituição do patrimônio edificado pelas “inteligentes, arejadas e funcionais” construções modernas, varrendo tanto quanto possível a onda eclética, que por sua vez varrera no passado o neoclássico e o colonial.

Um dia, lá pelos anos 50, um mineiro visionário e uns cariocas revolucionários – um dos quais se notabilizaria na Arquitetura como o rei das ondas – resolveram tirar do papel uma ideia antiga: construir uma cidade inteira no meio de um planalto localizado no meio do país. E o Rio ficou sem seu Distrito Federal. Mas conservou as ondas.

Hoje, os cariocas assistem a mais uma onda de reformulação urbana na cidade. O atual prefeito, já alcunhado Pereira Paes por alguns, apontou suas picaretas para a moribunda área portuária e, em nome da Copa, das Olimpíadas e da “aceleração do crescimento”, diz que vai devolver aquela área ao cidadão comum – revitalizar, como dizem. Mais ou menos como se fez há cem anos. É esperar para ver.

Tomara que não seja só marola…

___
[1] In Guia da Arquitetura Eclética no Rio de Janeiro. Organizador Czajkowski, Jorge. Rio de Janeiro: Centro de Arquitetura e Urbanismo, 2000

_____________________________________

 

STONE ON STONE
Luiz Eugenio Teixeira Leite, August, 2013

Waves. I’ve always loved them. Like every youth my age – back when I was young, that is – and like every Carioca from the South Zone, I was fascinated by the waves of Ipanema, especially those that formed along the erstwhile Ipanema Pier – an awkward metal structure they stuck out into the sea in the 70s, roughly in front of Montenegro Street – Vinicius Street today – or maybe it was up by Farme de Amoedo, l’m not sure and it doesn’t matter. Tired ot duckdiving out there, I ended up switching to surfing, and couldn’t get the waves out of my head…

A little older, in my twenties, my passion for the sea led me to enroll on the hotly-disputed Marine Biology course at the Federal University of Rio de Janeiro, and myself and some friends decided to venture into the underworld of underwater activities. The waves were still there, only now rolling overhead…

Well, this article has nothing to do with scuba diving, much less with surfing, seen as my teenage surfboard, which never caught a single wave in its life, has probably been re-invented, in the best of hypotheses, as an ironing board. As for the diving cylinder, it has long been an item ot décor at my mother’s house, poor her – that is, poor them…

What this article is really about is another wave altogether, one I have been surfing for quite a while now. It’s a wave I dubbed – with a nudge from my editor friend Helio Hara – the “Rio eclectic wave”, a trend that swept the city between 1900 and 1930, give or take.

Let me explain. In architecture, Eclecticism refers to a historical tendency that gained momentum in Europe in the early 19th Century, soon after the decline of Neoclassicism, and which sought to marry, simultaneously ano shamelessly, stylistic influences from various architectural lines, both local and foreign, recent and centennial, Oriental and Western, and not only those of Greco-Roman Classical Antiquity. What does all that mean? Basically, it means that the architect of the day, free of – or freed from – the rigid canons of this or that past style, felt entitled to mix and mash the best elements of various styles into the same project, as he saw fit. As such, there was no impediment to the harmonious co-existence in one and the same building of Gothic ogival arches and Renaissance turrets decorated with Moorish stained glass or art nouveau luminaires – though I’ve never actually seen something like that… This, naturally, kicked open wide windows of constructive and decorative opportunity for architects, much to the delight of a wealthy clientele avid for modern novelties (just like today…), but it also enraged many of the specialist critics, for whom the movement was mere pastiche. For some, ornamentation was a crime. But that’s another wave entirely.

Architecture should explain its prescribed function through style. This truth, the backbone of “architecture partante”, is one of the conceptual fundaments of Eclecticism. For the Eclectic architects, simple observation of a façade should be enough to tell the observer the function for which the building was intended. In the slipstream of  the first wave came a second, accessory wave that concerned ornamentation. Façades from this period tend to be more “ornate”, clad with symbolic motifs, precisely because these were to speak for the building, expressing its state of spirit – more sober for a courthouse, more playful for a theater, a concert hall or cinema.

The eclectic tsunami was so powerful it traversed the oceans and reached America, and not just North America, but South America too. Brazil included. Rio de Janeiro, then the capital ot the young republic, found itself, at the dawn of the 20th Century, swept by a floodtide of urban restoration, ocean-staving landfills and boulevards designed at a penstroke and imposed by the pickaxe, leveling the colonial manors of the old center in the still of the night. It was the Passos Renovation, by Francisco Pereira Passos, appointed plenipotentiary mayor of what was then the Federal District by the incumbent President Rodrigues Alves, and assisted by the fierce propaganda campaign waged by the director-general for Public Health, Oswaldo Cruz, who called for urgent and necessary sanitary reform. Inspired by the urban overhaul of Paris 30 years earlier, under Napoleon III and Baron Haussmann, the Passos Plan literally turned the city on its head. Under the slogan “Civilizing Rio”, 585 buildings were demolished to make way for the central avenue alone!

This boulevard, Avenida Central (Central Avenue, figure 1), had a specific remit: to connect the new port with the major new arteries leading from Glória to the genteel South Zone. All too familiar to denizens of Rio, the present-day Rio Branco Avenue is a perfect illustration of the city’s official eclecticism. Designed by the engineer André Gustavo Paulo de Frontin, who enjoyed the total confidence of Passos and his fellows at the Engineering Club – to the point that he felt free to make structural alterations to the plans without prior consultation -, in just six months the construction dislodged 4,000 residents, who had no option but to accept, and gratefully, the paltry expropriation payments offered by the authorities. The cream of the Brazilian business elite was invited to take their place, and the competition to select the boulevard’s façades attracted not only the very best architects in the land, but various eminent foreign professionals too, and from their drawing boards emerged designs inspired by the very latest wave in global architecture: Eclecticism. As for the population, well, the population was expected to make itself scarce … perhaps go surfing off Ramos Beach, where, incidentally, there aren’t any waves!

True to eclectic tastes, the styles borrowed for these new palaces were French and Italian Renaissance, Moorish and even Dutch. They were said to be “so modern” they’d last a hundred years! The reality would be quite another. Within forty years the monumental avenue was already feeling the strain of real-estate speculation, and its young palaces began to make way for the first brazilian skyscrapers. Of the 83 buildings inaugurated in 1904, only 10 remain intact! Modernity demanded verticality!

But that’s another story. Back to eclectic decoration. Of those few buildings that survived modern speculation, the Municipal Theater, the National Fine Art Museum, the National Library, Pedro Ernesto Palace and Tiradentes Palace are obvious examples of Rio buildings endowed with rich and varied architectonic expression. However, if we set aside the opulent façades of these official buildings and focus for a moment on the smaller civil constructions which the eclectic vocabulary made flourish in our city, we will see the profusion and richness of detail that today represents the civil architecture of the period.

Naturally, as occurs today, the eclectic wave caught on and escaped official control. And that’s precisely what interests me here. At the same time as the eclectic palaces were being erected on Avenida Central, and as City Hall pressed ahead with its urban renovation, opening and widening avenues, recently licensed young architects hit the streets to ply their trade, and we’re not talking about academic engineers/architects from the National School of the Fine Arts or the Largo de São Francisco Polytechnic, but graduates of second-tier institutions, such as the Lyceum of Arts and Crafts, or hacks with no training whatsoever, who together conspired to spread the eclectic wave citywide, leaving behind an architectonic legacy devoid of erudition, but perhaps more original for that. As I see it, it was these individuals, with their ingenuous ingenuity, who gave the city the typically eclectic aura it has today. Theirs was a sub-movement we might join Rocha-Peixoto[1] in calling Popular Eclecticism.

While these constructor-artists may have failed to write their names into the classical compendiums of Brazilian architecture, they did, with deep creative freedom allied with a peculiar interpretation of ornamentation, succeed in forging a city that is all the more culturally diverse, joyful and rich for their contribution.

This creative liberty can be appreciated in the apex of Hotel Aymoré (Rua Carlos Sampaio, 106, figure 2), in Praça da Cruz Vermelha. Here, a male bust fulfills the dual symbolic function of representing a native Brazilian Indian while evoking the Roman god Mercury, the patron of traders, by fusing the indian’s headdress with the god’s golden helmet. On Avenida Mem de Sá, opened in 1906, we see various eclectic townhouses erected and adorned by these almost anonymous professionals. Take number 102, from 1911, for example. Here, two palm trees rise on the second floor and grow ebulliently toward the apex (figure 3). Or number 99, in which the façade is spacious and democratic enough to incorporate fish, eels, a lion, eagle and assorted seashells (figure 4)

Then there is number 40 Carioca Street, a building erected in 1906. The owner, most likely a Freemason, had the façade adorned with various Masonic symbols: the set square, compass, sight glass, acacia and others (figure 5).

And how could we fail to admire the façade of the old Lucas Residence (36-38 Passos Avenue, figure 6), which, for its beauty and monumentality, was chosen as the symbol of the Rio de Janeiro Cultural Corridor, a project set up to preserve and conserve buildings of historic and artistic interest in the city?

While we are on the subject – metaphorically, of course – of eclectic waves in Rio architecture, allow me to digress ever so briefly on a façade that is almost entirely decorated with real waves – well, almost real … I’m speaking of the Praça XV Boat Station (figure 7). The central building, which dates to 1911, boasts some first-rate roofing in which a large dome, just above the clock that used to keep tabs on the boats, presents some intricate naval ornamentation, with special mention for the prow of a ship bursting through waves, as their volutes spill – steel yoursell, dear reader – into the sucker-lined tentacles of an enormous, eclectic octopus! Unfortunately, these bas reliefs have long been incarcerated behind protective netting, punishment for having threatened to fall on our heads…

There are enough examples of eclecticism in the city to fill a whole issue of s/n°.

In the late 40s, the eclectic wave finally passed. The Second World War was over and the United States was the new military, economic and cultural superpower, setting the trends and stemming the strong European influence that had always been hegemonic down here. Brazil was industrializing at a rapid pace. The art déco wave, though short-lived, left us some architectonic gems, such as the Itahy and Guahy buildings in Lido, and Casa Marajoara, on Rua Paissandu, in Flamengo, all in Rio, and the most beautiful Brazilian high-rise produced in the style, the magnificent Banco de São Paulo, designed by the architect Alvaro Botelho in 1936. It was followed by Modernism, which, with its aggressive and definitive discourse, consigned Eclecticism and its peers to the shadows, declaring its total and unimpeachable aversion to all possible forms of ornamentation. From that time on, unlike what happened in Europe, where the modern and the old managed to co-exist, as they stood or were raised in different areas, what occurred in our major cities – and has yet to pass – was another tsunami, a meteoric and imprudent tidal wave that cleared the way for “intelligent, airy, functional” modern constructions, sweeping before it as much of the eclectic as it could, just as the eclectic had with the neoclassical and colonial past.

One day, in the 50s, a visionary from Minas Gerais and some Rio-based revolutionaries -one of whom rose to architectural fame as the king of waves – decided to dust off an old idea: to build an entire city on some tableland in the middle of the country. And so Rio lost its status as seat of government. But it kept its waves.

Today, Rio sees another wave of urban renovation. The present mayor, dubbed Pereira Paes by some, has turned his pickaxes on the moribund port area and, in the name of the World Cup, Olympic Games and “accelerated growth”, says he is going to give that area back to the common man – revitalized, as they say. In other words, more or less what happened a hundred years ago. One can only wait and see.

Let’s hope its not just a comber…

___
[1] In Guia da Arquitetura Eclética no Rio de Janeiro. Organizador Czajkowski, Jorge. Rio de Janeiro: Centro de Arquitetura e Urbanismo, 2000

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: