Clube Naval / Naval Club

AVENIDA RIO BRANCO, 180
CLUBE NAVAL, PROJETO DE TOMMASO BEZZI, 1905 C.

AUTOR DESCONHECIDO | RELEVOS EM ARGAMASSA E BRONZE, 1910 C.

Clube Naval_1

Perfeitos híbridos entre o cavalo e o peixe, patas de um lado e nadadeiras de outro, esses cavalos-marinhos mitológicos empunhando tridentes fazem referência a Poseidon, deus grego dos mares, que os teria criado. A fachada retrata ainda, profusamente, conchas, âncoras, peixes, proas de caravelas e ainda o barrete frígio, símbolo máximo da Liberdade, muito presente nas construções do período republicano (acima).

A clarabóia abaixo está adornada por peixes simétricos e concha central. É digno de nota o emprego das correntes navais na decoração, amarradas às caudas dos peixes e “sustentando” todo o conjunto.

Clube Naval_2

Vemos no baixo-relevo em bronze abaixo, da autoria de Armando Magalhães Corrêa (1889-1944) e executado por volta de 1910, a narração de um dos acontecimentos mais marcantes da história naval brasileira. No dia 19 de fevereiro de 1868, seis embarcações nacionais forçaram passagem e cercaram as fortificações de Humaitá, dando ao Brasil o completo domínio das comunicações fluviais do Rio Paraguai, no episódio que ficou conhecido por PASSAGEM DE HUMAITÁ. Ajudaram a construir a imagem épica do episódio as célebres e monumentais pinturas de Victor Meirelles – que teria assistido ao confronto de perto, a bordo de um dos navios – e de Eduardo de Martino, trabalho com o qual o baixo-relevo de Magalhães Correa guarda profunda afinidade compositiva. Para a mesma fachada o artista compôs outro baixo-relevo, no qual retratou A BATALHA NAVAL DO RIACHUELO.

Clube Naval_3

 

_____

RIO BRANCO AVENUE, 180
NAVAL CLUB, PROJECT BY DE TOMMASO BEZZI, 1905 C.
UNKNOWN AUTHOR | MORTAR AND BRONZE BAS-RELIEFS, 1910 C.

Perfect hybrids between the horse and the fish, paws at a side and fins at the other, these mithologic seahorses carrying tridents refer to Poseidon, greek god of the seas and their creator. The façade shows abundantly shells, anchors, fishes, galleon bows and the phrygian cap, a very common symbol present at brazilian buildings of the republican period (first image, above).

The skylight (second image, above) is adorned by symmetrical fish and a central shell. Noteworthy is the use of nautical chains in the decoration, tied to fishes´ tails ans “sustaining” all the set.

Above is a bronze relief made by Armando Magalhães Corrêa (1889-1944) around 1910, the visual narrative of one of the most important events of brazilian naval history. In 19 February, 1868, six brazilian ships passed through and laid siege to Humaitá fortifications, giving Brazil complete control over Rio Paraguai´s fluvial communications, an episode remembered as THE SIEGE OF HUMAITÁ. Helpful to construct the episode´s epic image were the famous and monumental paintings by Victor Meirelles – who was supposed to take part of the siege aboard one of the ships – and by Eduardo de Martino, whose work, by the way, Magalhães Correa relief has a deep compositional affinity. For the same façade the artist made another relief, depicting THE RIACHUELO NAVAL BATTLE.

2 Comentários

  1. Marcia Fontes · · Responder

    Maravilhoso o seu trabalho! Parabéns!

    Curtir

  2. Maravilhoso… estagiei aí 1 ano e dois meses e foi a melhor experiência em arte e em vida que eu pude ter. A cultura é excelente.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: