O RIO DE TODOS OS SANTOS: SÃO JOSÉ

Igreja de São José, Centro do Rio de Janeiro

Em 19 de março comemora-se o Dia de São José, um dos santos mais populares da devoção católica no mundo. No Rio de Janeiro o pai de Jesus dá nome a inúmeras construções, entre as quais escolas, fortalezas e, obviamente, capelas e igrejas.

Entre os inúmeros templos dedicados ao santo, escrevemos hoje sobre o principal deles – a Igreja de São José da Avenida Presidente Antonio Carlos, no Centro. Localizada no sopé do extinto Morro do Castelo, ela deu nome, já em princípios do século XVII, a uma das mais importantes artérias da cidade colonial. Acertou quem pensou na Rua de São José, que ligava a igreja de mesmo nome ao Convento de Santo Antonio.

Antes, porém, um pouquinho para o santo…

José de Nazaré é o pai de Jesus na Terra. Embora fosse da família do Rei Davi, desempenhava a atividade artesanal de carpinteiro. É assim, munido das ferramentas de seu ofício, ou carregando ao colo o Menino Jesus, e geralmente barbado, que ele é representado na iconografia cristã.

Um atributo, entretanto, o identifica mais facilmente. Diz a lenda que, no momento em que se escolhia um marido para a Virgem Maria, um ramo de lírio branco teria miraculosamente brotado do cajado de um dos candidatos – José. O lírio branco é, pois, símbolo da pureza e da castidade, e aparece com enorme frequência nas representações de São José.

Passemos, agora, à igreja propriamente dita. Segundo o historiador Augusto Maurício, uma pequena ermida dedicada a São José já se encontrava no local da atual igreja desde o ano de 1608. Com o passar do tempo o pequenino templo, muito danificado, teve de ser demolido. Foi então que a Irmandade de São José resolveu, a partir de 1806, erigir uma nova morada, e a nova igreja demorou de 1808 a 1842 para ser concluída, com risco do Mestre Felix José de Souza (1807) e adaptações de João da Silva Muniz (1816).

Como se vê na foto inicial desta postagem, ela repousa atualmente meio espremida entre um palácio eclético – o Palácio Tiradentes, sede da ALERJ – e um arranha-ceú moderno – o Edifício Estácio de Sá.

O frontão elevado – tipicamente oitocentista – traz no paramento branco dois baixos-relevos. No de baixo, uma cartela em cantaria traz as iniciais JMJ – de Jesus, Maria e José, entre um ramo de lírio, à direita, e uma palma, à esquerda. O de cima, circular, traz uma vez mais as mesmas iniciais, desta vez circundadas por um festão de flores e um resplendor. Entrecruzam-se aqui, formando um X, uma cruz alusiva ao Cristo e o ramo de lírio branco alusivo a São José.


O frontão da Igreja de São José e seus baixos-relevos em destaque

Maurício recorda ainda da fama do poderoso carrilhão, cujos sinos de bronze podiam ser ouvidos a longas distâncias.

A fachada lateral, além de riquíssima arquitetonicamente, guarda um detalhe curioso e digno de nota: repare que as janelas vão se aproximando à medida em que se afastam da fachada principal, num interessante jogo de perspectiva.

um comentário

  1. Paulo Roberto Aleixo de Menezes · · Responder

    Obrigado! Ótimo poder conhecer detalhes do meu Rio.

    Curtir

Deixe uma resposta para Paulo Roberto Aleixo de Menezes Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: